História do Município de Getúlio Vargas

por Cristiane Piccoli Dalapria publicado 21/11/2014 07h05, última modificação 26/11/2014 09h31

        A história do município de Getúlio Vargas teve início quando o Governo do Estado do Rio Grande do Sul decretou, em 6 de outubro de 1908, a criação de uma nova colônia no município de Passo Fundo, localizada às margens da estrada de ferro e à margem direita do Rio dos Índios.

        Essa colônia, então denominada Erechim se desenvolveu com facilidade devido à sua boa localização, às fartas e produtivas terras e ao trabalho árduo dos colonizadores.

        Em 1911, com a chegada do trem e a inauguração da Estação Férrea Erechim, foram estabelecidas as ligações para a Capital, para as colônias velhas e para os outros estados. Com o trem vieram mais imigrantes, na maioria italianos, alemães e poloneses, que formaram a base da população e da força de trabalho, possibilitando o maior desenvolvimento da região.

        A Colônia prospera muito além do que o próprio Governo espera­va. Em breve ela é uma referência devido à fertilidade de suas terras. A riqueza florestal, a estrada de ferro, a exportação do excedente e a mão de obra das colônias velhas foram motivos para o rápido crescimento da colônia.

        Por insistência de Torres Gonçalves, a sede da Colônia é transferida, no ano de 1916, para a localidade de Paiol Grande, onde é especial­mente construído um prédio para sediar a Comissão de Terras, cuja madeira foi toda oriunda de Erechim, hoje Getúlio Vargas.

        Em 30 de abril de 1918, Antônio Augusto Borges de Medeiros, assina o decreto que cria o município de Erechim, com sede em Boa Vista de Erechim, desmembrando o território do município de Passo Fundo.

        O núcleo inicial da colonização, muito mais próspero do que a pró­pria sede municipal, fica na condição de Segundo Distrito e desperta mais do que nunca o desejo de emancipação. Todos esperavam que pelo fato de a colônia ter seu início em Getúlio Vargas, esta seria a sede escolhida, e não Boa Vista. Afinal, Getúlio Vargas foi a porta de entrada para o Alto Uruguai.

        O sonho da emancipação somente vai se mate­rializar em 18 de dezembro de 1934, quando o Governo Federal decretou a criação do município de Getúlio Vargas, único município brasileiro com o nome do presidente que por mais tempo governou o Brasil.

        O desejo acalentado de ver o 2º Distrito emancipado se materializa com a assinatura do Decreto nº 5.788, que autoriza a criação de uma nova unidade político-administrativa, que recebe o nome de Getúlio Vargas. A sede do novo município seria instalada no povoado Erechim, abrangendo ainda Erebango, parte do 1º Distrito de Boa Vista do Erechim e também Sete de Setembro (Charrua), que integrava o território de Passo Fundo.

        O dia 24 de março de 1935 foi escolhido para a realização da sessão solene de instalação do novo município. O salão do Clube Aliança abrigou parte da comunidade, que atendeu o convite para acompanhar a posse oficial do prefeito nomeado. Homem de confiança de Flores da Cunha, assume a função o major Manoel Nunes da Costa. Oficial da Brigada Militar, o Major já havia ocupado a mesma função no município de São Luiz Gonzaga.

        Ao iniciar a segunda metade do século XX, o município de Getúlio Vargas é referência na economia gaúcha. Os dois curtumes, o Erê S.A. e o Riograndense Ltda., são responsáveis pela geração de centenas de postos de trabalho. O primeiro, fundado no ano de 1919, processa couro bovino abastecendo o mercado interno e exportando para a América do Norte e inúmeros países da Europa. O segundo, que iniciou suas atividades em 1940, inova ao transformar o couro suíno, atendendo a demanda do país e também exportando.

        A atividade primária sempre figurou nas estatísticas do governo do Estado. Quando o município completou 25 anos, os campos de barba de bode, até então utilizados para a atividade pecuária, são rasgados pelo arado revelando sua fecundidade. O ouro amarelo, como era chamado o mais nobre dos cereais, incrementa o setor primário.

        A produção de grãos teve um salto na década de cinquenta com a triticultura, resultando na fundação da Cotrigo, no ano de 1957. O mesmo com a atividade extrativista, com destaque para a madeira.

        A experiência no cooperativismo remonta ao primeiro ano do município. No dia 31 de março de 1935, foi fundada a Cooperativa de Produção da Banha Santana Ltda. O setor ainda era representado pela Vitivinícola Serrana Ltda., Mista Florianense, entre outras cooperativas que surgiram.

        A cidade foi conhecida por abrigar uma unidade da Cervejaria Serramalte

        Hoje, Getúlio Vargas destaca-se no cenário estadual por seu forte potencial econômico: está em pleno desenvolvimento industrial, comercial e agrícola. Além disso, por estar às margens da RS 135, oferece grande facilidade logística.

        Getúlio Vargas é uma ótima alternativa para empresas que buscam uma cidade calma, mas empreendedora. Está preparada para atender às necessidades das pessoas e das empresas que se instalarem na cidade. Possui boa infraestrutura em todos os setores: a constante atenção à segurança saúde e educação contribui para o desenvolvimento do município.   

        É uma cidade agradável, múltipla, moderna e preparada para o futuro. As características de “pequeno município” significam tranquilidade nos dias de hoje. As crianças podem brincar na praça e os estudantes podem ir a pé para a escola. O centro da cidade, cada vez mais, é um convite para os passeios e lazer.

        O Setor Industrial conta com mais de 100 indústrias instaladas na cidade: é a atividade que mais emprega mão de obra no município. Merecem destaque a produção de vestuário e o ramo metalúrgico, voltado para a fabricação de máquinas e equipamentos para a indústria de alimentos.

        Além disso, a produção de cartões também é uma referência do setor industrial. Getúlio Vargas abriga uma fábrica que está entre os maiores fabricantes de cartões bancários do mundo.

        Novas empresas e indústrias têm lugar garantido para se instalar. O Distrito Industrial, com acesso asfáltico pela RS 475 e próximo à RS 135, está localizado a apenas 1 Km da cidade.

        A participação do comércio na economia também é significativa. Getúlio Vargas conta com um grande número de estabelecimentos comerciais, que atuam em vários segmentos: sempre oferecendo novidades, mantêm o movimento no centro da cidade.

        Entre os pontos turísticos da cidade estão:

- A Praça General Flores da Cunha - instalada numa área de dez mil metros quadrados, foi construída em três pavimentos e, por décadas, foi apontada como uma das mais belas do RS -;

- O Parque Municipal das Águas e

- A Igreja Matriz Nossa Senhora da Imaculada Conceição, cuja Paróquia comemora, em 2014, 104 anos de criação. Sua história iniciou em 25 de outubro de 1911, quando o bispo de Santa Maria criou o Curato de Erexim - que era o nome da atual cidade de Getúlio Vargas.

        Enfim, Getúlio Vargas reúne o que há de melhor em se tratando de povo hospitaleiro, cidade acolhedora, múltiplas possibilidades de investimento, cultura e lazer.  É uma cidade que tem qualidade de vida!

        Getúlio Vargas é um ótimo lugar para viver!

Prefeitura 2.JPG   Vista Município.JPG  Vista.JPG

         Igreja.JPG          Praça Flores da Cunha.JPG        Praça.JPG